terça-feira, 24 de outubro de 2017

Espírito Protetor

Olá.
Já faz um tempinho que não conversamos... 
Que tal pensar um pouco mais nas suas atitudes? Será que está fazendo tudo o que poderia fazer? Será que você me ouve, toda vez que eu te intuo?
Talvez você não tenha percebido, mas ontem (30/09/17) nós conversamos... 
Conversamos através da música, assistindo o primeiro dia da 2ª Semana Nacional de Arte Espírita no Teatro Municipal de Vila Velha - Espírito Santo. O Grupo Amadeu (Com 'cuida de mim') e Denis Soares (com 'vem comigo') cantaram músicas que falavam sobre mim, o protetor espiritual.
Espero que isso tenha feito você refletir e nos reaproximarmos. Na sua infância, eu era muito mais presente, porém agora suas experiências e conhecimentos colaboram para que você seja mais independente. Mas não se esqueça de que basta me chamar através de uma prece, de um pedido de ajuda e estaremos ligados.
Tenho um pedido a fazer pra você. Desperte na criança, no jovem e no adulto, a sensibilidade de se conectar com seus próprios protetores.
Conto com você!
Bom trabalho!
                      Roberto, Seu amigo espiritual.




Protetor espiritual. 
Nossas crianças e jovens, e até o público adulto, têm muitas dúvidas sobre o assunto e, nada melhor que dar aquela estudada no tema e aprofundar os conhecimentos.


Vídeo:

- Stand up do mentor : https://www.youtube.com/watch?v=mUryOAywRW0

- Analgésico -  Canal Evangelizar é amar Sou criança:  https://www.youtube.com/watch?v=3xNa_0GzdKo


Músicas:
Do outro lado - Cd Pirlimpimpim - Júnior Vidal
Analgésico -  Cd 2 Evangelizar é amar
Cuida de mim - Grupo Amadeu (ES)
Vem comigo - Denis Soares.


  • Em O livro dos Espíritos temos as perguntas  de 489 a 521.  
      A seguir:

489. Há Espíritos que se ligam a um indivíduo em particular para o  proteger?                                                           
— Sim, o irmão espiritual; é o que chamais o bom Espírito ou o bom gênio.

490. Que se deve entender por anjo da guarda?
— O Espírito protetor de uma ordem elevada.

491. Qual a missão do Espírito protetor?
— A de um pai para com os filhos: conduzir o seu protegido pelo bom caminho, ajudá-lo com os seus conselhos, consolá-lo nas suas aflições, sustentar sua coragem nas provas da vida.

492. O Espírito protetor é ligado ao indivíduo desde o seu nascimento?      — Desde o nascimento até a morte, e frequentemente o segue depois da morte, na vida espírita, e mesmo através de numerosas experiências corpóreas, porque essas existências não são mais do que fases bem curtas da vida do Espírito.

493. A missão do Espírito protetor é voluntária ou obrigatória?
— O Espírito é obrigado a velar por vós, porque aceitou essa tarefa, mas pode escolher os seres que lhe são simpáticos. Para uns, isso é um prazer; para outros, uma missão ou um dever.

493 – a) Ligando-se a uma pessoa, o Espírito renuncia a proteger outros indivíduos?
— Não, mas o faz de maneira mais geral.

494. O Espírito protetor está fatalmente ligado ao ser que foi confiado à sua guarda?
—Acontece frequentemente que certos Espíritos deixam sua posição pura cumprir diversas missões, mas nesse caso são substituídos.

495. O Espírito protetor abandona, às vezes, o protegido, quando este se mostra rebelde às suas advertências?
— Afasta-se quando vê que os seus conselhos são inúteis e que é mais forte a vontade do protegido em submeter-se à influência dos Espíritos inferiores, mas não o abandona completamente e sempre se faz ouvir. É o homem quem lhe fecha os ouvidos. Ele volta, logo que chamado.
Há uma doutrina que deveria converter os mais incrédulos, por seu encanto e por sua doçura: a dos anjos da guarda. Pensar que tendes sempre ao vosso lado seres que vos são superiores, que estão sempre ali para vos aconselhar, vos sustentar, vos ajudar a escalar a montanha escarpada do bem, que são amigos mais firmes e mais devotados que as mais íntimas ligações que se possam contrair na Terra, não é essa uma ideia bastante consoladora? Esses seres ali estão por ordem de seu Deus, que os colocou ao vosso lado; ali estão por seu amor, e cumprem junto a vós todos uma bela, mas penosa missão. Sim, onde quer que estiverdes, vosso anjo estará convosco: nos cárceres, nos hospitais, nos antros do vício, na solidão, nada vos separa desse amigo que não podeis ver, mas do qual vossa alma recebe os mais doces impulsos e ouve os mais sábios conselhos. Ah!, por que não conheceis melhor esta verdade? Quantas vezes ela vos ajudaria nos momentos de crise; quantas vezes ela vos salvaria dos maus Espíritos! Mas no dia decisivo este anjo de bondade terá muitas vezes de vos dizer: “Não te avisei disso? E não a fizeste! Não te mostrei o abismo? E nele te precipitaste! Não fiz soar na tua consciência a voz da verdade, e não seguiste os conselhos da mentira?”. Ah!, interpelai vossos anjos da guarda, estabelecei entre vós e eles essa terna intimidade que reina entre os melhores amigos! Não penseis em lhes ocultar nada, pois eles são os olhos de Deus e não os podeis enganar! Considerai o futuro; procurai avançar nesta vida, e vossas provas serão mais curtas, vossas existências mais felizes. Vamos, homens, coragem! Afastai para longe de vós, de uma vez por todas, preconceitos e segundas intenções! Entrai na nova via que se abre diante de vós, marchai,marchai! Tendes guias, segui-os; a meta não vos pode faltar porque essa meta é o próprio Deus.
Aos que pensassem que é impossível a Espíritos verdadeiramente elevados se restringirem a uma tarefa tão laboriosa e de todos os instantes, diremos que influenciamos as vossas almas, embora estando a milhões de léguas de distância: para nós o espaço não existe, e mesmo vivendo em outro mundo os nossos Espíritos, conservam sua ligação convosco. Gozamos de faculdades que não podeis compreender, mas estais certos de que Deus não vos impôs uma tarefa acima de vossas forças, nem vos abandonou sozinhos sobre a Terra, sem amigos e sem amparo.
Cada anjo da guarda tem o seu protegido e vela por ele como um pai vela pelo filho.  Sente-se feliz quando o vê no bom caminho; chora quando os seus conselhos são desprezados.
Não temais fatigar-nos com as vossas perguntas; permanecei, pelo contrário, sempre em contato conosco: sereis então mais forte e mais felizes. São essas comunicações de cada homem com seu Espírito familiar que fazem médiuns a todos os homens, médiuns hoje ignorados, mas que mais tarde se manifestarão, derramando-se como um oceano sem bordas para fazer refluir a incredulidade e a ignorância. Homens instruídos, instruí; homens de talento, educai vossos irmãos. Não sabeis que a obra assim realizais: é a do Cristo, a que Deus vos impõe. Por que Deus vos concedeu a inteligência e a ciência, senão para as repartirdes com vossos irmãos, para os adiantar na senda da ventura e da eterna bem aventurança?                                        São Luis, Santo Agostinho.

Comentário de Kardec: A doutrina dos anjos da guarda, velando pelos protegidos apesar da distância que separa os mundos, nada tem que deva surpreender, pelo contrário, é grande e sublime.  Não vemos sobre a Terra um pai velar pelo filho, ainda que esteja distante, e ajuda-lo com seus conselhos através da correspondência?  Que haveria de admirar em que os Espíritos possam guiar, de um mundo ao outro, os que tomaram sob sua proteção, pois se, para eles, a distância que separa os mundos é menor que a que divide os continentes da Terra? Não dispõem eles do fluido universal que liga a todos os mundos e os torna solidários, veículo imenso da transmissão do pensamento, como o ar é para nós o veículo da transmissão do som?

496. O Espírito que abandona o seu protegido, não mais lhe fazendo o bem, pode fazer-lhe mal?
— Os bons Espíritos jamais fazem o mal; deixam que o façam os que lhes tomam o lugar, e então acusais a sorte pelas desgraças que vos oprimem, enquanto a falta é vossa.                   

497. O Espírito protetor pode deixar o seu protegido à mercê de um Espírito que o quisesse mal?
— Existe a união dos maus Espíritos para neutralizar a ação dos bons, mas, se o protegido quiser, dará toda força ao seu bom Espírito. Esse talvez encontre, em algum lugar, uma boa vontade a ser ajudada, e a aproveita, esperando o momento de voltar junto ao seu protegido.

498. Quando o Espírito protetor deixa o seu protegido se extraviar na vida, é por impotência para enfrentar os Espíritos maléficos?
— Não é por impotência, mas porque ele não o quer: seu protegido sai das provas mais perfeito e instruído, e ele o assiste com os seus conselhos, pelos bons pensamentos que lhe sugere, mas que infelizmente nem sempre são ouvidos. Não é senão a fraqueza, o desleixo ou o orgulho do homem que dão força aos maus Espíritos. Seu poder sobre vós só provém do fato de não lhes opordes resistência.

499.0 Espírito está constantemente com o protegido? Não existe alguma circunstância em que, sem o abandonar, o perca de vista?
— Há circunstâncias em que a presença do Espírito protelar não é necessária, junto ao protegido.

500. Chega um momento em que o Espírito não tem mais necessidade do anjo da guarda?
— Sim, quando se torna capaz de guiar-se por si mesmo, como chega um momento em que o estudante não mais precisa de mestre. Mas isso não acontece na Terra.

501. Por que a ação dos Espíritos em nossa vida é oculta, e por que, quando eles nos protegem, não o fazem de maneira ostensiva?
Se contásseis com o seu apoio, não agiríeis por vós mesmos e o vosso Espírito não progrediria. Para que ele possa adiantar-se, necessita de experiência e em geral é preciso que adquira à sua custa; é necessário que exercite as suas forças, sem o que seria como uma criança a quem não deixam andar sozinha. A ação dos Espíritos que vos querem bem é sempre de maneira a vos deixar o livre-arbítrio, porque se não tivésseis responsabilidade não vos adiantaríeis na senda que vos deve conduzir a Deus. Não vendo quem o ampara, o homem se entrega às suas próprias forças; não obstante, o seu guia vela por ele e de quando em quando o adverte do perigo.

502. O Espírito protetor que consegue conduzir o seu protegido pelo bom caminho experimenta com isso algum bem para si mesmo?
— É um mérito que lhe será levado em conta, seja para o seu próprio adiantamento, seja para sua felicidade. Ele se sente feliz quando vê os seus cuidados coroados de sucesso; é para ele um triunfo, como um preceptor triunfa com os sucessos do seu discípulo.

502 – a) É ele responsável quando não o consegue?
— Não, pois fez o que dele dependia.

503. O Espírito protetor que vê o seu protegido seguir um mau caminho, apesar dos seus avisos, não sofre com isso e não vê, assim, perturbada a sua felicidade?
— Sofre com os seus erros e os lamenta mas essa aflição nada tem das angústias da paternidade terrena, porque ele sabe que há remédio para o mal, e que o que hoje não se fez, amanhã se fará.

504. Podemos sempre saber o nome do nosso Espírito protetor ou anjo da guarda?
— Como quereis saber nomes que não existem para vós? Acreditais, então, que só existem os Espíritos que conheceis?

504 – a) Como então o invocar, se não o conhecemos?
— Dai-lhe o nome que quiserdes, o de um Espírito superior pelo qual tendes simpatia e veneração; vosso protetor atenderá a esse apelo, porque todos os bons Espíritos são irmãos e se assistem mutuamente.

505. Os Espíritos protetores que tomam nomes comuns são sempre os de pessoas que tiveram esses nomes?
— Não, mas Espíritos que lhes são simpáticos e que, muitas vezes, vêm por sua ordem. Necessitais de um nome: então, eles tomam um que vos inspireconfiança. Quando não podeis cumprir pessoalmente uma missão, enviais  alguém de vossa confiança que age em vosso nome.

506. Quando estivermos na vida espírita reconheceremos nosso Espírito protetor?
— Sim, pois frequentemente o conhecestes antes da vossa encarnação.

507. Os Espíritos protetores pertencem todos à classe dos Espíritos superiores? Podem ser encontrados entre os da classe média? Um pai, por exemplo, pode tornar-se Espírito protetor de seu filho?
— Pode, mas a proteção supõe um certo grau de elevação, e um poder e uma virtude a mais, concedidos por Deus. O pai que protege o filho pode ser assistido por um Espírito mais elevado.

508. Os Espíritos que deixaram a Terra em boas condições podem sempre  proteger os que os amaram e lhes sobreviveram?
— Seu poder é mais ou menos restrito; a posição em que se encontram não lhes permite inteira liberdade de ação.

509. Os homens no estado selvagem ou de inferioridade moral têm igualmente seus Espíritos protetores, e nesse caso esses Espíritos são de uma ordem tão elevada como os dos homens adiantados?
— Cada homem tem um Espírito que vela por ele, mas as missões são relativas ao seu objeto. Não dareis a uma criança que aprende a ler um professor de filosofia. O progresso do Espírito familiar segue o do Espírito protegido. Tendo um Espírito superior que vela por vós, podeis também vos tornardes o protetor de um Espírito que vos seja inferior, e o progresso que o ajudardes a fazer contribuirá para o vosso adiantamento. Deus não pede ao Espírito mais do que aquilo que a sua natureza e o grau a que tenha atingido possam comportar.

510. Quando o pai que vela pelo filho reencarna, continua ainda a velar por ele?
— Isso é mais difícil, mas ele pede, num momento de desprendimento, que um Espírito simpático o assista nessa missão. Aliás, os Espíritos não aceitam senão as missões que podem cumprir até o fim.
O Espírito encarnado, sobretudo nos mundos onde a existência é material, é demasiado sujeito ao corpo para poder devotar-se inteiramente a outro, ou seja, assisti-lo pessoalmente. Eis porque os não suficientemente elevados estão sob a assistência de Espíritos que lhes são superiores, de tal maneira que, se um faltar, por um motivo qualquer, será substituído por outro.

511. Além do Espírito protetor, um mau Espírito é ligado a cada indivíduo com o fim de impulsioná-lo ao mal e de lhe propiciar uma ocasião de lutar entre o bem e o mal?
— Ligação não é bem o termo. É bem verdade que os maus Espíritos procuram desviar o homem do bom caminho quando encontra ocasião, mas quando um deles se liga a um indivíduo o faz por si mesmo, porque espera ser escutado; então haverá luta entre o bom e o mau e vencerá aquele a cujo domínio o homem se entregar.

512. Podemos ter muitos Espíritos protetores?
— Cada homem tem sempre Espíritos simpáticos, mais ou menos elevados, que lhe dedicam afeição e se interessam por ele, como há, também, os que o assistem no mal. 

513. Agem os Espíritos simpáticos em virtude de uma missão?
—Às vezes podem ter uma missão temporária, mas em geral são apenas solicitados pela similitude de pensamentos e de sentimentos, no bem como no   mal.

513 – a) Parece resultar daí que os Espíritos simpáticos podem ser bons ou maus?
— Sim, o homem encontra sempre Espíritos que simpatizam com ele qualquer que seja o seu caráter.

514. Os Espíritos familiares são a mesma coisa que os Espíritos Simpáticos ou os Espíritos protetores?
— Há muitas gradações na proteção e na simpatia. Dai-lhes os nomes que quiserdes. O Espírito familiar é antes de tudo o amigo da casa.

Comentário de Kardec: Das explicações acima e das observações feitas sobre a natureza dos Espíritos que se ligam ao homem podemos deduzir o seguinte:
O Espírito protetor, anjo da guarda ou bom gênio, é aquele que tem por missão seguir o homem na vida e o ajudar a progredir. É sempre de uma natureza superior à do protegido.
Os Espíritos familiares se ligam a certas pessoas por meio de laços mais ou menos duráveis, com o fim de ajudá-las na medida de seu poder, frequentemente bastante limitado. São bons, mas às vezes pouco adiantados e mesmo levianos, ocupam-se voluntariamente de pormenores da vida íntima e só agem por ordem ou com permissão dos Espíritos protetores.
Os Espíritos simpáticos são os que atraímos a nós por afeições particulares e uma certa semelhança de gostos e de sentimentos, tanto no bem como no mal. A duração de suas relações é quase sempre subordinada às circunstâncias.
O mau gênio é um Espírito imperfeito ou perverso que se liga ao homem com o fim de o desviar do bem, mas age pelo seu próprio impulso e não em virtude de  uma missão. Sua tenacidade está na razão do acesso mais fácil ou mais difícil que encontre. O homem é sempre livre de ouvir a sua voz ou de a repelir.

515. Que se deve pensar dessas pessoas que parecem ligar-se a certos indivíduos para levá-los fatalmente à perdição ou para guiá-los no bom caminho?
— Algumas pessoas exercem um efeito sobre outras, uma espécie de fascinação que parece irresistível. Quando isso acontece para o mal são maus Espíritos, de que se servem outros maus Espíritos, para melhor subjugarem as suas vítimas. Deus pode permiti-lo para vos experimentar.

516. Nosso bom e nosso mau gênios poderiam encarnar-se para nos acompanharem na vida de maneira mais direta?
— Isso acontece algumas vezes, mas frequentemente, também, eles    encarregam dessa missão outros espíritos encarnados que lhes são simpáticos.

517. Há Espíritos que se ligam a toda uma família para protegê-la?
—Alguns Espíritos se ligam aos membros de uma mesma família, que vivem juntos e são unidos por afeição, mas não acrediteis em Espíritos protetores do orgulho das raças.

518. Sendo os Espíritos atraídos aos indivíduos por simpatia, serão igualmente a reuniões de indivíduos, por motivos particulares?
— Os Espíritos vão de preferência aonde estão os seus semelhantes, pois nesses lugares podem estar à vontade e mais seguros de ser ouvidos. O homem atrai os Espíritos em razão de suas tendências, quer esteja só ou constitua um todo coletivo, como uma sociedade, uma cidade ou um povo. Há, pois, sociedades, cidades e povos que são assistidos por Espíritos mais ou menos elevados, segundo o seu caráter e as paixões que os dominam. Os Espíritos imperfeitos se afastam dos que os repelem e disso resulta que o aperfeiçoamento moral de um todo coletivo, como o dos indivíduos, tende a afastar os maus Espíritos e a atrair os bons, que despertam e mantêm o sentimento do bem nas massas, da mesma maneira por que outros podem insuflar-lhes as más paixões.

519. As aglomerações de indivíduos, como as sociedades, as cidades, as nações têm o seus Espíritos protetores especiais?
— Sim, porque essas reuniões são de individualidades coletivas que marcham para um objetivo comum e têm necessidade de uma direção superior.

520. Os Espíritos protetores das massas são de natureza mais elevada que a dos que se ligam aos indivíduos?
— Tudo é relativo ao grau de adiantamento das massas como dos indivíduos.

521. Alguns Espíritos podem ajudar o progresso das Artes, protegendo os que delas se ocupam?
— Há Espíritos especiais e que assistem aos que os invocam, quando os julgam dignos; mas que quereis que eles façam com os que creem ser o que não são? Eles não podem fazer ver os cegos nem ouvir os surdos.

Comentário de Kardec: Os antigos haviam feito desses Espíritos divindades especiais. As Musas eram a personificação alegórica dos Espíritos protetores das Ciências e das Artes, como designavam pelos nomes de lares e penates os Espíritos protetores da família. Entre os modernos, as artes, as diferentes indústrias, as cidades, os países têm também seus patronos ou protetores, que são os Espíritos superiores, mas sob outros nomes.
Cada homem tendo os seus Espíritos simpáticos, disso resulta que em todas as coletividades a generalidade dos Espíritos simpáticos está em relação com a generalidade dos indivíduos; que os Espíritos estranhos são para elas atraídos pela identidade de gostos e de pensamentos; em uma palavra, que essas aglomerações, tão bem como os indivíduos, são mais ou menos bem envolvidas, assistidas e influenciadas segundo a natureza dos pensamentos da multidão.
Entre os povos, as causas de atração dos Espíritos são os costumes, os hábitos, o caráter dominante, as leis, sobretudo, porque o caráter da nação se reflete nas suas leis. Os homens que fazem reinar a justiça entre eles combatem a influência dos maus Espíritos. Por toda parte onde a lei consagra as coisas injustas, contrárias à Humanidade, os bons Espíritos estão em minoria e a massa dos maus, que para ali afluem, entretém a nação nas suas idéias e paralisam as boas influências parciais, que ficam perdidas na multidão, como espigas isoladas em meio de espinheiros. Estudando-se os costumes dos povos, ou de qualquer reunião de homens, é fácil, portanto, fazer ideia da população oculta que se imiscui nos seus pensamentos e nas suas ações.


Se você conhece alguma dinâmica, aula, vídeo ou música com esse tema, pedimos a sua ajuda para que possamos compilar o máximo de informações possíveis para ajudar outros amigos evangelizadores a trabalhar com o tema.  Apresente sua sugestão aqui mesmo nos comentários ou em nossa página no face ( https://www.facebook.com/petalassemeandocomjesus/).
Grande abraço!

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Corpo e Espírito



Quantas vezes já repetimos pra nós mesmos que o "essencial é invisível aos olhos", frase escrita num livro infantojuvenil por Saint Exupery. 
É verdade: o essencial é o nosso espírito, aquilo que somos, que carrega toda a nossa experiência e amores/desamores de todas as vidas. Porém, se equivocam aqueles (e me incluo nessa!) que dão valor demais ao espírito e se esquecem de cuidar do corpo. Medicina, saúde e exercícios são importantes. Na medida certa, é claro... como qualquer outra coisa. 
Pensando assim, resolvemos fazer um apanhado de ideias pras aulas sobre corpo e espírito.

Para estudo:
- Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo XVII, número 11 - Cuidar do corpo e do espírito.
- O Livro dos espíritos: pergunta 134 até 146.

- Vídeo para estudo:
"Saúde do corpo e do espírito:
 https://www.youtube.com/watch?v=WPLwP934rHY
- Vídeo para estudo: 
"A ação do pensamento como vetor de saúde e doença": 
https://www.youtube.com/watch?v=9lVwn9o6QPw 


Aula 1 – Infância:
- Em duplas, uma criança pega uma cartolina, a coloca no chão e se deita sobre ela. A outra vai  contornando o seu corpo com um giz de cera, para que o contorno fique gravado na cartolina. Depois a situação se inverte numa outra cartolina.
- Cada uma de posse do seu contorno escreve no espaço dentro dele as qualidades que possui e o que gostaria de deixar marcado no seu perispírito, para isso deve pensar um pouco com base em algumas frases (e figuras para os menores) coladas na parede, tais como: gosto de ler, recorro à prece sempre que me sinto mal ou feliz, sou sensível, inteligente, gentil, paciente, impaciente (o evangelizador pode pensar em diversos tipos de frases que façam as crianças pensarem)...
- Depois pedir que elas desenhem o contorno da roupa no seu desenho.
- Fazer algumas perguntas como:
- vestimos o nosso corpo ou o nosso espírito?
- Com o que vestimos nosso espírito?
- Como podemos cuidar do nosso corpo?
- como podemos cuidar do nosso espírito?
- Após essa conversa, trabalhar com hábitos de saúde mental e corporal.

- Dinâmica:

Trabalhar com Yoga com as crianças faz com que elas descubram todo o seu potencial e tenham consciência do seu corpo e suas possibilidades. Ela pode aprender, entre outras coisas, a respirar, a se acalmar e a relaxar.



Músicas:
O carrinho - Evangelizar é amar - cd Sou criança
Vamos tomar banho - Evangelizar é amar - cd Evangelizar é amar 2
Morto Vivo - Evangelizar é amar - cd Sou criança
Autoconhecimento - Denis Soares - Cd Viajante do Universo


Vídeos infantis:
O carrinho:

Vamos tomar banho:
https://www.youtube.com/watch?v=0VlKsfIruN0&feature=em-uploademail

Se você tem alguma sugestão de aula, dinâmica, vídeos ou músicas, conta pra gente! A gente vai olhar com muito carinho e adicionar à postagem, dando créditos a você, claro...
Abração!

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Quando a dor ensina...

                                               "Na escada inteira da vida
                                                 Tristeza é só um degrau
                                                 Que subirei também
                                                 Me faz mais aprender
                                                 Sobre tudo e sobre o nada
                                                 Sobre o que eu quero ser"
                                                   Denis Soares - Apesar da dor



Hoje nos lembramos destes versos.
Paramos pra refletir o quanto estamos aprendendo com a dor.
Calma, não iremos fazer lamentações. Mas sim nos fortalecer com as experiências que todos nós vivenciamos ao evangelizar.
Buscamos tanto a perfeição que, quando erramos, nos "condenamos" e não exercemos o autoperdão.
Sabemos que não podemos exigir, e nem devemos, que os outros compreendam e aceitem nossas faltas. Mas, devemos sim, observar o quanto usamos de palavras rudes pra expressar algo de que não gostamos, pra criticar o erro do outro, nos esquecendo de nos colocarmos no lugar deste.
Não somos perfeitos. Mas é necessário manter o esforço, a dedicação e o empenho da tarefa.
No meio de tantas turbulências será aquele sorriso, aquele abraço, aquele carinho recebido dos evangelizandos que irão nos fortalecer para erguer a cabeça e seguir adiante.
"Fé, um grãozinho de mostarda" dizia Jesus.
Quando nos falta a paciência, a compreensão, o entendimento e a aceitação é a nossa fé que está menor que um grão de mostarda.
Há muitas batalhas na nossa vida, mas a maior batalha é aquela que travamos dentro de nós mesmos, quando nos deparamos com nossos erros, com nossas imperfeições e até mesmo com os desafios que a vida nos apresenta.
Desistir? Não. Nunca. Se Deus nos confiou essa tarefa é porque nós precisamos estar nela. Se o convite para realizar algo se deu é porque somos capazes de vencer nossos obstáculos pessoais e externos.
Vamos transformar essas turbulências a  serviço do bem. Saber que somos imperfeitos e que estamos aqui justamente para aprender. Só assim poderemos seguir nosso caminho!
Perdoemo-nos! Transformemo-nos! Sigamos adiante!
Permaneçamos fortes diante das pedras que vêm em nossa direção e lembremo-nos de que o trabalho é pra Jesus.

A paz a todos.

terça-feira, 25 de abril de 2017

A Grande Viagem - Planejamento reencarnatório

Durante o ano de 2016, o tema da Evangelização da nossa Casa Espírita foi "Família" e queríamos dar uma ideia do planejamento que se organiza em torno do nosso retorno à Terra no berço familiar.

Baseados no livro de Miriam Dusi, A Grande Viagem, resolvemos fazer uma apresentação de itens necessários à grande viagem que fazemos ao reencarnarmos.
Criamos um labirinto de TNT no salão e, em cada volta, encontramos cada um desses objetos e um espaço para realizar as dinâmicas. Um evangelizador ficará responsável por executar as dinâmicas com seu grupo de crianças. No centro do Labirinto encontraremos os pais que estarão como que recebendo essas crianças na Terra, como fizeram na verdade cada uma dessas pessoas.

Todos os evangelizadores deverão ir de blusa branca, pois serão os protetores espirituais das crianças (que serão o “Beto” da história original).
Todos serão recebidos na área de lanches com música e sem cadeiras, para reencontrar tias e coleguinhas e cantar um pouco.
Em determinado momento a música abaixa e 1 pessoa vestida de branco se apresenta como protetora espiritual, assim como os outros protetores que estarão espalhados pelo lugar, mais próximos  das crianças.

( Bem vindos à nossa colônia! Vocês notaram que estamos em festa? As árvores estão mais enfeitadas, o canto dos passarinhos mais alegre por vocês estarem aqui!! Estamos todos muito felizes! Mas eu e os outros protetores espirituais que estão entre vocês estamos aqui para dar uma notícia! Eles irão conversar um pouquinho mais sentadinhos aí. Escolham a tia ou tio que estiverem mais próximos de você e sentem-se que ela/ele vai lhe explicar tudinho!)

Todos os evangelizadores estarão espalhados entre as crianças e sentarão no chão na hora com elas pra conversar um pouco:

“Eu sou seu protetor espiritual. Você sabia que todos nós temos um? Hoje nós iremos começar nossa preparação para fazer uma grande viagem... é uma viagem de aprendizado! Será muito legal! Nós ainda estamos no plano espiritual, mas logo logo regressaremos à terra,e precisamos nos preparar corretamente pra essa viagem. O que a gente precisa pra viajar? ( Resposta esperada: mala e bagagem). Então vamos preparar a bagagem de vocês? Aqui cada um tem uma malinha (entregar a mala pra eles, feita de envelope pardo e uma alça de cartolina). Reparem que já tem um objeto aqui pendurado... a chave da paciência! Sabem por que precisamos dela? (Esperar respostas).
 Do que mais precisamos numa viagem? Vamos descobrir quais objetos levaremos?”

Enquanto isso o protetor destaca grupo por grupo pra ir subindo/ entrando no labirinto e descobrir os outros itens necessários à viagem.
 Então cada criança recebe uma malinha em papel e vai sair com o protetor (um grupo de cada vez) para descobrir os objetos necessários a essa viagem.
Cada protetor sobe com seu grupinho as escadas e entra no salão (que terá uma cortina de papel na porta escrito ‘planejamento reencarnatório’), encontrando um labirinto e alguns desenhos de objetos (um grande e um envelope com vários pequenos iguais) pregados nas paredes. O protetor diz que eles descobrirão por que deverão levar aqueles objetos nessa viagem. Passar com eles por todos os objetos.

                               LABIRINTO: DINÂMICAS
*A CHAVE DA PACIÊNCIA
Irá amarrada na malinha por ser a chave que conseguirá nos levar a adquirir todos os outros objetos. Muita calma e paciência.

*Os ÓCULOS DA JUSTIÇA
Estará grudada na parede uma figura tampada por um tnt . Essa figura mostra uma ilusão de ótica. O TNT será levantado rapidamente e abaixado. Ficando a figura apenas alguns segundos destampada. O protetor pergunta o que viram. Ouvir as crianças e só depois destampar para que eles a vejam com tranquilidade. Dizer que só se enxerga bem alguma coisa se olharmos direito pra ela e com os óculos as pessoas enxergam melhor quando precisam. Pra sermos justos devemos observar bem as coisas e as pessoas à nossa volta.

*O ESPELHO DA CONSCIÊNCIA
Colocar várias figuras de pessoas fazendo coisas certas e erradas e perguntar a elas o que acham daquelas fotos. Quais são corretas e como sabemos disso. O espelho da consciência irá nos mostrar como devemos agir em determinadas situações. Nossa consciência nos acusa quando olhamos no espelho (se fizemos algo errado, não conseguimos nos olhar por muito tempo)


*A LANTERNA DA VERDADE
Material: uma caixa preta com o interior preto tem uma pequena abertura na frente e dentro  está a figura de Jesus.
O evangelizador pede pra criança olhar dentro do buraco. Ela não consegue ver muita coisa; pedir às outras crianças pra fazerem o mesmo. Depois eles terão a ajuda de uma lanterna e dirão o que veem. Perguntar:
Quem é? ....   O que ele nos ensinou? ....
Ouvir as crianças.
Finalizar a conversa dizendo que Jesus é a luz da verdade.

*A BÚSSOLA DO BEM
Vocês sabem que existem pessoas que fazem trilhas, entram em florestas, montanhas e diversos lugares diferentes que não têm placa indicando para onde vamos... Sabem o que elas usam pra saber qual o caminho certo?
Isso mesmo, a bússola. É um instrumento que nos mostra a direção e podemos chegar aonde quisermos com ela. Assim é o bem. Como uma bússola pra nos guiar pelos caminhos certos. O que é fazer o bem?
Conversar um pouquinho.

*O RELÓGIO DA DISCIPLINA
O que é disciplina? Por que preciso ter disciplina na minha mala?
O que o relógio tem a ver com a disciplina?
Perguntar a elas e ouvir as respostas. Se precisar, completar o pensamento.

*O CAPACETE DA ESPERANÇA
Vamos colocar o capacete da esperança? (Um capacete de bicicleta ou de moto)
Quem sabe o que é esperança?
Conversar com elas.

*A CAPA DA CORAGEM
O lugar terá uma capa  de TNT.
 O que é coragem?
Cada criança escreverá na capa (canetinha) o que ela acha que é preciso/necessário para ter coragem. (Quem não souber escrever, desenha).

*O GUARDA-CHUVA DA BONDADE
Haverá dois guarda-chuvas fechados com muitos corações pendurados na parte de dentro.


Perguntar as crianças pra que serve um guarda-chuva. E por que elas acham que ele tem esse nome: guarda chuva da bondade. Ouvir
Quem gostaria de abrir esse guarda chuva pra ver como seria o guarda chuva da bondade? Assim que alguém abrir, perguntar novamente por que elas acham que ele tem esse nome.
Os corações representam o amor que cada pessoa tem de ter para fazerem atos de bondade; estes atos formam uma corrente de mais amor, que nos protegem de algumas coisas ruins que poderiam acontecer conosco e também da chuva de egoísmo que de vez em quando acontece na gente.

*A  FITA DA FRATERNIDADE
Faz-se um círculo pequeno e o monitor joga um rolo de fita (ou barbante) pra uma criança, que terá de jogar pra outra e assim até todos segurarem o barbante. O que aconteceu? Essa fita mostra que estamos todos conectados e por isso devemos nos tratar como irmãos, porque estamos ligados por sermos filhos de Deus!

*A LUVA DA CARIDADE
Material: Esse item terá uma folha de papel cenário no qual nós vamos desenhar a mão de algumas crianças (canetinha) e pedir que as outras falem algo bom de se fazer com as mãos.
Escolher 2 crianças de cada grupo pra fazer o desenho. Todas podem responder a pergunta.  Depois falar: O que é caridade? Deixar que falem.

*O CANTIL DA ALEGRIA
Perguntar às crianças o que as deixa mais alegres. 
E o que as deixa tristes?
 Por que precisamos ser alegres? 
Deixá-las falar e depois dizer que a alegria deixa a vida mais fácil e que precisamos de alegria como precisamos de água para sobreviver. Ninguém fica sem água. Se ficar, adoece e até morre. Se ficarmos sem alegria também adoecemos.

*A LUPA DO AMOR
Colocar algumas figuras de pessoas fazendo coisas erradas e em cima do coração da pessoa um coraçãozinho com alguma coisa boa dentro. Se pudermos arrumar uma lupa para permitir que os desenhinhos dentro do coração sejam ampliados e podermos ver que todos têm amor no coração, apenas precisamos enxergar direito e a lupa nos permite enxergar mesmo as pequenas coisas. Por isso precisamos da lupa do amor, para vermos com mais clareza o amor que está presente em todos os seres. 

*A LUNETA DA HUMILDADE
Construir uma luneta de papel e colocar uma figura de estrelas no céu de noite...
Deixar que elas vejam o que tem lá dentro.
Pra que serve a luneta? Pra observarmos o céu de maneira mais ampla; vermos mais coisas e o quanto o universo é grande. Deus permitiu que víssemos que somos pequenos diante da imensidão da sua criação e que não devemos achar que somos os maiorais em relação às outras pessoas. Olhando o universo com a luneta... vemos como somos pequenos.

*A BANDEIRA DA PAZ
Recortar 3 “pés” que formarão um caminho até chegar na bandeira. Cada passo deverá ser avançado se a pessoa responder 3 perguntas (juntamente com a equipe) que levarão a ela (1 representante do grupo):

- Um colega pega seus materiais sem pedir na escola. O que você faz?(briga com ele e pega de volta ou pede educadamente que lhe devolva por estar precisando?)
- Você ganha um chocolate de um amigo, mas tem dois outros que viram você ganhar esse chocolate. O que você faz? (come em casa sozinho ou divide com seus amigos)
- você está na praia e passa o carrinho de picolé. Você só tem dinheiro pra um picolé e está com seu melhor amigo. O que você faz? (divide com ele ou come sozinho?)
A bandeira da paz é conseguida aos pouquinhos com pequenos passos que damos. Começamos a construir a paz por nossas atitudes.

Chegamos ao final de nossa preparação...
Agora vocês estão prontos para essa viagem. Todos esses objetos estarão bem guardados nos seus corações e vocês os terão sempre à sua disposição. É só saber usar.
Vamos ver quem está nos esperando depois dessa cortina?
Encontrar os pais e responsáveis no centro do labirinto e lhes dar um abraço. Sentar com eles e contar tudo o que viram enquanto esperam os outros grupos terminarem o labirinto. Os responsáveis colocam o nome na malinha dos filhos com canetinha e ganham os nomes dos objetos para poderem conversar com as crianças.
Assim que todos terminarem, fazer um círculo e tocar a música “Sou criança”, do grupo Evangelizar é Amar, ouvindo e prestando atenção à letra.
Círculo de dentro – Crianças.
Círculo de fora – pais e evangelizadores

A coordenadora do DIJ diz aos pais:
Somos os protetores e responsáveis por essas crianças; Precisamos e vamos fazer todo o esforço possível para fazê-las se desenvolver  e crescer como homens de bem.

E faremos a prece com todos, pais, evangelizadores e crianças de mãos dadas.